Copa do Mundo de 1950 no Brasil


A quarta copa do mundo de futebol ocorreu no Brasil entre 24 de junho e 16 de julho. Foi a primeira copa do mundo desde 1938 – por causa da Segunda Guerra Mundial, nenhuma copa do mundo foi organizada nem 1942 nem 1948. Em 1946, foi tomada a decisão de organizar uma nova copa do mundo que ocorreria no Brasil, longe da guerra. Europa.



Devido às ações na guerra, a Alemanha e o Japão foram banidos do torneio. Por razões políticas, a União Soviética, a Hungria e a Tchecoslováquia se abstiveram de participar. A Argentina se retiraria da fase de qualificação após um desentendimento com a Confederação Brasileira de Futebol. A França e a Índia se retirariam por outros motivos depois de se qualificar para o torneio, o que resultou em grupos assimétricos.

Com a Índia e a França excluídas, na verdade 13 equipes estavam participando da Copa do Mundo de 1950. Uma delas era a Inglaterra que, depois de finalmente se tornar membro da FIFA, participaria do prestigiado torneio pela primeira vez.

Ao contrário da última vez que a Copa do Mundo foi realizada na América do Sul, a maioria das principais nações européias do futebol participaria – desta vez surgiram vôos transatlânticos que facilitaram a longa viagem (a Itália, porém, viajaria por mar, compreensível após o trágico desastre aéreo) que no ano anterior matou todo o time de futebol de Torino).

Formato
A peça de grupo usada em 1930, mas abandonada quatro anos depois, seria recolocada em prática (o motivo era econômico). O formato para a Copa do Mundo de 1950 foram duas fases de jogo em grupo. Dos quatro grupos, quatro vencedores do grupo avançariam para a fase final de grupos.

Cidades e estádios
As partidas seriam disputadas em seis cidades brasileiras e em seis estádios. O país anfitrião havia construído um novo e enorme estádio para o evento, o Estádio do Maracanã, com capacidade próxima a 200.000.

Torneio
Devido à ausência de retirada da França, o Grupo 4 incluiria apenas uma partida. O Uruguai venceria a Bolívia neste jogo com 8-0 e conseguiria um caminho fácil para a fase eliminatória.

O Brasil naquela época era um país próspero e, como nação do futebol, emergiu como um sério candidato às atuais potências da América do Sul: Uruguai e Argentina. Eles venceram a Copa América de 1949 em grande estilo, marcando 39 gols em sete partidas. O povo brasileiro respirou muito otimismo, mas após o empate do segundo grupo contra a Suíça, os torcedores ficaram furiosos e o treinador Flavio Costo precisava de uma escolta policial da arena. O Brasil, no entanto, avançaria do grupo para a rodada final. Na segunda fase de grupos, nenhum outro time foi tão impressionante quanto o Brasil (7-1 contra a Suécia e 6-1 contra a Espanha) e, nesse ponto, a nação apaixonada do futebol parecia ter certeza de uma vitória completa. No entanto, um calço estava esperando na partida final, na qual o Brasil só precisa empatar para ser campeão do mundo.

Mesmo com 173.850 no estádio do Maracanã, estima-se que sejam mais de 200.000 em 16 de julho, quando o Brasil jogou contra o Uruguai na partida que determinaria o resultado do torneio. Após assumir a liderança por 1-0, o Uruguai volta e vence por 2 a 1. O resultado chocaria uma nação e a seleção brasileira que sempre jogou em uniformes brancos nunca mais faria isso depois da derrota contra o Uruguai.

O futebol britânico foi por um longo período considerado superior em comparação com o resto do mundo. Nas últimas décadas, outras nações deram passos gigantescos e isso seria comprovado quando a melhor nação britânica, a Inglaterra, finalmente jogasse na Copa do Mundo. Depois de uma partida vencida e duas perdidas, o fiasco era um fato – a Inglaterra foi eliminada antes da rodada final.

Uma curiosidade é que essa foi a primeira Copa do Mundo em que os jogadores tinham números nas costas.

Estatísticas
A Copa do Mundo da FIFA 1950 incluiria 22 partidas nas quais foram feitos 88 gols (4 gols por partida). Nenhum jogador foi expulso durante o torneio.

Resultados
Brasil, Espanha, Suécia e Uruguai conseguem vencer seus respectivos grupos. Eles se enfrentariam em um segundo turno que consistia em um grupo de quatro equipes. O último jogo, entre Uruguai e Brasil, seria decisivo – neste momento a equipe da casa precisava de apenas um empate para garantir a vitória no torneio. A partida foi disputada no Estádio do Maracanã e é considerada uma das finais mais clássicas da Copa do Mundo, com 199.854 espectadores. O resultado, no entanto, não serviria, a maioria dos espectadores. Depois que o time da casa assumiu a liderança, o Uruguai faria dois gols no segundo tempo e venceria a partida e o torneio.

O Uruguai, que optou por não participar dos torneios de 1934 ou 1938, conseguiu seu segundo título em duas participações. E o atacante se tornou o primeiro jogador da Copa do Mundo a marcar em todos os jogos em que jogou.

A equipe do Uruguai (campeões):
Roque Máspoli (goleiro)
Aníbal Paz (goleiro)
Schubert Gambetta (zagueiro)
Juan Carlos González (zagueiro)
Matías González (zagueiro)
William Martínez (zagueiro)
Eusebio Tejera (zagueiro)
Héctor Vilches (zagueiro)
Washington Ortuño ( zagueiro )
Rodolfo Pini ( zagueiro) )
Víctor Rodríguez Andrade (meio-campo)
Obdulio Varela (meio-campo)
Julio César Britos (Avançado)
Juan Burgueño (Avançado)
Alcides Ghiggia (Avançado)
Oscar Míguez (Avançado)
Rubén Morán (Avançado)
Julio Pérez (Avançado)
Luis Rijo (Avançado)
Carlos Romero (Avançado)
Juan Alberto Schiaffino (Avançado)
Ernesto Vidal (Avançado)
Juan López Fontana (Treinador principal)

Veja Também

Copa do Mundo de 1962 no Chile

A sétima Copa do Mundo foi disputada no Chile de 30 de maio a 17 de junho. As qualificações iniciadas dois anos antes incluíam 57 seleções. Destes, 14 equipes conseguem ir para o torneio final, juntamente com o país anfitrião automaticamente qualificado Chile e o atual campeão Brasil.