Copa do Mundo de 1954 na Suíça


A Copa do Mundo da FIFA de 1954 ocorreu na Suíça, de 16 de junho a 4 de julho. No total, 16 equipes participaram da fase final do torneio e 26 partidas foram disputadas. Foi a quinta vez no torneio da Copa do Mundo e seria a primeira a ser vista na televisão.



O atual campeão Uruguai estava entre as equipes; até agora, a seleção nacional havia vencido o torneio em duas edições anteriores (1930 e 1950). Foi, no entanto a Hungria , a maior dominante no futebol europeu da época, que chegou à Suíça como a maior favorita. Um de seus jogadores foi o lendário Ferenc Puskás, que se machucou contra a Alemanha Ocidental na fase de grupos, mas se recuperou para a fase eliminatória.

Notável também foi que a Escócia, a Coréia do Sul e a Turquia conseguiram se classificar para as fases finais da Copa do Mundo pela primeira vez (a antiga grande potência do futebol, a Escócia, só era membro da FIFA desde 1949). A Alemanha proibida de participar da Copa do Mundo anterior devido às ações na Segunda Guerra Mundial foi novamente bem-vinda na Copa do Mundo da FIFA.

A atmosfera na Suíça era completamente diferente do que havia sido quatro anos atrás no Brasil. Foi um grande contraste com a platéia apaixonada que encheu o enorme Maracanã. Pode parecer estranho que um país tão pequeno como a Suíça seja o anfitrião do maior torneio mundial de futebol do mundo, mas foi um dos poucos países europeus que não foi particularmente afetado pela guerra recente.

Formato
O formato foi uma primeira fase com quatro equipes de quatro equipes, das quais duas equipes avançariam para a fase eliminatória final. Uma coisa curiosa com a preparação para este torneio foi que todos os times jogavam apenas dois jogos em grupo e só encontravam dois dos três times. O ranking decidia quais equipes se encontrariam. Sem surpresa, o design seria criticado. Criticou-se também a idéia de que nenhuma preocupação seria tomada se um time tivesse ficado em primeiro ou segundo no grupo quando os times foram designados como oponentes nas quartas de final. Isso resultou em que uma final muito plausível já sairia nas quartas de final entre a Hungria e o Brasil.

Cidades e arenas
As partidas seriam disputadas em seis cidades e em seis estádios (consulte a caixa “Cidades e estádios” para uma visão geral). O estádio Wankdorf, em Berna, tinha a maior capacidade, com vagas para mais de 64.000, e a final seria disputada aqui.

Torneio
O torneio alcançaria a maior média de gols de todos os tempos em uma Copa do Mundo com surpreendentes 5,38 gols por partida. A maior produção excessiva de gols aconteceria nas quartas de final entre Áustria e Suíça: 7-5 após 90 minutos (12 gols em uma partida ainda são um recorde no torneio). Outro motivo foi o recorde negativo da Coréia do Sul, com 16 gols perdidos. Mais de cinco gols por partida nunca haviam acontecido antes e certamente não acontecerá novamente.

Nas quartas de final, a Hungria enfrentou o Brasil em uma partida mencionada como final moral. Mas a principal impressão do jogo não foi o esporte, mas os violentos encontros em campo. O jogo que seria chamado de “Batalha de Berna” incluiu três cartões vermelhos, brigas na linha lateral após o apito final e continuou com os brasileiros atacando os jogadores húngaros em seu vestiário.

A Alemanha Ocidental pode ser uma das maiores nações do futebol, mas a equipe na Copa do Mundo de 1954 carecia de grande qualificação e foi uma grande sensação quando venceu as quartas de final contra a Iugoslávia. Ainda maior foi a vitória por 6-1 contra a Áustria na semifinal. Apesar da superação contra a Áustria, a Alemanha deveria ficar sem chance contra a Hungria na final. Qualquer outra coisa seria um milagre.

A Hungria assumiu a liderança por 2-0, mas o moral alemão e um campo enlameado que não serviria ao estilo de passe húngaro chegaram ao que desde então tem sido chamado de “O Milagre de Berna”. A Alemanha Ocidental se tornou a vencedora do torneio depois de vencer a Hungria em um jogo tenso com três gols a dois.

Estatísticas
A Copa do Mundo da FIFA 1954 incluiria 26 partidas nas quais foram feitos 140 gols (5,38 gols por partida). Três jogadores foram expulsos durante o torneio.

Resultados
Brasil, Iugoslávia, Hungria, Alemanha Ocidental, Uruguai, Áustria, Inglaterra e Suíça avançariam na fase de grupos para a fase eliminatória.

Alemanha Ocidental, Áustria, Hungria e Uruguai seriam bem-sucedidos nas quartas de final e iriam para as meias-finais. A Alemanha Ocidental derrotaria a Áustria com 6-1 e a Hungria derrotaria o Uruguai após o prolongamento.

O plantel da Alemanha Ocidental (campeões):

Toni Turek (goleiro)
Heinz Kubsch (goleiro)
Heinz Kwiatkowski (goleiro)
Fritz Laband (zagueiro)
Werner Kohlmeyer (zagueiro)
Hans Bauer (zagueiro)
Herbert Erhardt (zagueiro)
Josef Posipal (zagueiro)
Werner Liebrich (zagueiro)
Horst Eckel ( zagueiro )
Karl Mai (meio-campo)
Paul Mebus (meio-campo)
Karl-Heinz Metzner (meio-campo)
Alfred Pfaff (meio-campo)
Helmut Rahn (avançado)
Max Morlock (avançado)
Bernhard Klodt (avançado)
Ottmar Walter (avançado)
Fritz Walter (avançado)
Richard Herrmann (avançado)
Ulrich Biesinger (avançado)
Hans Schäfer (avançado)
Sepp Herberger (Treinador principal)

Polêmica
O jogador húngaro Ferenc Puskás acusaria os alemães de usarem substâncias para melhorar seu desempenho. Ele foi forçado pela FIFA a aceitar suas acusações, mas 50 anos depois testemunhou um atendente de que havia encontrado seringas no vestiário alemão após a final. Um estudo realizado pela Universidade Humboldt de Berlim também confirmou mais tarde que o doping sistemático ocorreu na Alemanha Ocidental durante um longo período. O mesmo relatório também afirmava que os jogadores de futebol alemães haviam tomado metanfetamina antes da final da Copa do Mundo de 1954.

Veja Também

Copa do Mundo de 1962 no Chile

A sétima Copa do Mundo foi disputada no Chile de 30 de maio a 17 de junho. As qualificações iniciadas dois anos antes incluíam 57 seleções. Destes, 14 equipes conseguem ir para o torneio final, juntamente com o país anfitrião automaticamente qualificado Chile e o atual campeão Brasil.