Arsenal propõe diminuição em 12,5% dos vencimentos durante crise do coronavírus, porém recebe recusa do meia Mezut Özil


Segundo afirma afirma o jornal The Sun, o meia Mezut Özil não aceitou a proposta em baixar seu salário em 12,5%. Todo o restante do elenco e da comissão técnica do Arsenal teve sua redução ativa pelo clube.



A recusa do atleta recebeu críticas e teve grande repercussão na na Inglaterra. Porém o prórpio The Sun, destacou as ações de caridade promovidas pelo jogador, segundo o periódico, o atleta alimentou 100 mil pessoas em campos de refugiados na Turquia no passado, assim como pagou pela operação de mil crianças ao redor do mundo. Uma dessas ações aconteceu aqui no Brasil, onde ele fez a doação das 240 mil libras a que teve direito com a conquista da Copa do Mundo de 2014 para ajudar crianças doentes.

Ainda segundo o jornal, além de Özil, outros dois jogadores recusaram a proposta de redução dos pagamentos feita pelo clube.

Segundo o ex-lateral direito Gary Neville, “o futebol está se matando de dentro para fora”, e mostra a complexa situação que ocorre na relação entre times e jogadores e entre os próprios clubes também. – O princípio de não estar junto como um grupo é indefensável. Eu não gostaria de ser um dos três que não concordaram com o resto do grupo, acho que isso os isolará em todas as decisões tomadas daqui para frente – avaliou o ex-lateral.

Piers Morgan, apresentador do programa matinal Good Morning Britain, detonou a postura adotada pelo jogador, dizendo que Özil, tem o maior salário do Arsenal, recebendo cerca de 350 mil libras por semana (R$ 2,2 milhões). – Você deveria se envergonhar, Mezut Özil. Alguns jovens jogadores, que têm muito menos dinheiro, estão reduzindo o salário em 12,5%, e você não quer? – disse.



Veja Também

Pedido da Federação Catarinense de Futebol (FCF) pela volta dos jogos com portões fechados, é negado pelo Governo de Santa Catarina

No intuito de mantém veto aos esportes com aglomerações em meio à pandemia, a Federação Catarinense de Futebol (FCF) teve seu pedido pela volta em 16 de maio, negado pelo Governo de Santa Catarina. A confirmação ocorreu na noite desta terça-feira por meio de comunicado oficial. As autoridades de saúde, avaliaram que não há possibilidade para a retomada, mesmo com portões fechados, de atividades gerem aglomeração ou contato físico.