Caindo na Copa do Brasil e perde posições no Brasileiro, Cano finaliza menos e não marca há cinco jogos pelo Vasco


Com menor minutagem e as ausências dos garçons Benítez e Andrey podem ser motivos do argentino concluir menos



Atravessando seu pior momento sob o comando de Ramon Menezes, após um trabalho animador, o Vasco cai na Copa do Brasil e perde posições no Brasileiro. Os números retratam a complicada fase da equipe, que está há cinco jogos sem vencer incluindo dois empates e três derrotas.

A fase coincide com a seca do argentino Germán Cano que não marca há cinco jogos. O último gol do artilheiro foi justamente na última vitória do Vasco da Gama, no 3 a 2 contra o Botafogo, pelo Campeonato Brasileiro, em 13 de setembro.

O treinador Ramon minimizou o jejum de Cano, após de a derrota para o Atlético-MG e afirmou que Cano é um dos artilheiros da competição e disse acreditar que daqui a pouco vai voltar a fazer gols. Treinador disse ainda que seu foco é recuperar todos.

O que chama atenção é o jejum de cinco jogos sem gol, visto que Cano vinha de uma regularidade impressionante, com 16 gols na temporada, sete deles no Brasileiro. Inclusive foi apelidado pela Fifa de “Máquina de Gols”.

Um dos motivos para a baixa rentabilidade de Cano podem ser a ausência de Andrey e Benítez jogadores que mais deram passes para finalizações de Cano no Brasileiro, como a dupla foi desfalque em alguns jogos, isto pode ter refletido no rendimento do jogador.

Outro ponto que deve ser levado em conta, é o número de finalizações do jogador, até a 10ª rodada, Cano finalizou 19 vezes a gol. Ele tinha uma média de 2,1 arremates por jogo. Levanto em conta apenas o Brasileirão, nos últimos três jogos, Cano fez apenas 4 finalizações, uma redução de 62% na média de finalizações por jogo.

Por fim a sua atuação em campo, estando menos minutos atuando, em 2020, Cano permaneceu em campo pelo Vasco 43h40min14s (ou 2.620 min) – média de 93 minutos por jogo e antes das cinco últimas partidas ele tinha média de 94 minutos em campo (2.176 min no total). Nas últimas cinco partidas Cano foi substituído duas vezes e ficou em campo 443 minutos em campo – média de 88 minutos por jogo.

 



Veja Também

São Paulo encara Rogério Ceni pela primeira vez em um mata-mata

O torcedor são-paulino se depara com uma situação inédita, enfrentar seu histórico goleiro, hoje como técnico do Fortaleza