Com processo bastante avançado, Real Madri coordena obras do estádio Santiago Bernabéu que tem quase todo teto removido


Com duas semanas em pausa, obras no estádio Santiago Bernabéu tem 50% de conclusão. Clube deve mandar partidas sem público em Valdebebas. As obras estão seguindo todos os protocolos de segurança, frente a pandemia que assola diversas cidades no mundo.



Por questões de segurança, as partidas estão suspensas por todo o mundo, mas isso foi um ponto positivo para o Real Madrid. Com a crise de saúde se agravando na Espanha, foi necessário pausar a obra.

Nesse período de maior crise, a obra ficou parada por duas semanas, mas com segurança, as obras foram retomadas no último dia 20. A empresa que faz a reformulação da casa do Real Madrid, segue todos protocolos de segurança para minimizar ao máximo os riscos de contágio e disse ainda que chegou a 50% das obras.

O estádio terá pilares que sustentarão seu novo teto retrátil, mas é a parte exterior que trará mais novidades, o estádio ganhará placas de aço inoxidável que permitirão ao Bernabéu, ter seu teto fechado por completo, em apenas 15 minutos.

Inicialmente o Real Madrid informou que não deixaria de jogar no estádio durante as reformas, que tem prazo estimado para terminar na temporada 2022/23. Porém o clube diz que pode manter o ritmo atual das obras mesmo quando o futebol voltar.

A ideia é que o Campeonato Espanhol siga sem torcida, até 2021 e o clube planeja que seus jogos oficiais, ocorram no Estádio Alfredo Di Stéfano, em Valdebebas, onde funciona seu centro de treinamentos.

O custo total da obra é estimado em € 575 milhões (R$ 3,5 bilhões, na cotação atual). O clube planeja pagar esse total num prazo de até 35 anos. Adicionalmente as obras englobam também a remodelação das ruas e praças ao lado e a construção de um telão em 360º e novas áreas comerciais.



Veja Também

Pedido da Federação Catarinense de Futebol (FCF) pela volta dos jogos com portões fechados, é negado pelo Governo de Santa Catarina

No intuito de mantém veto aos esportes com aglomerações em meio à pandemia, a Federação Catarinense de Futebol (FCF) teve seu pedido pela volta em 16 de maio, negado pelo Governo de Santa Catarina. A confirmação ocorreu na noite desta terça-feira por meio de comunicado oficial. As autoridades de saúde, avaliaram que não há possibilidade para a retomada, mesmo com portões fechados, de atividades gerem aglomeração ou contato físico.