Com três meses de atraso, Vasco se vê diante de dilema onde jogadores podem rescindir o contrato unilateralmente


Hoje o Vasco completa três meses de atrasos nos pagamentos, a grande preocupação é com a possibilidade de perda de ativos, o que permite aos jogadores rescindir unilateralmente os contratos, deixando o time sem grande de seus nomes na grade.



Existe uma mobilização atualmente para pagar pelo menos uma folha salarial em atraso. Vale lembrar que no início do mês, o clube quitou os últimos débitos de 2019 relativos às folhas salariais – com exceção dos direitos de imagem pagos a cerca de 20% do elenco.

No início do ano, o goleiro Fernando Miguel afirmou que os jogadores são “parceiros do clube”, porém para efeitos jurídico-trabalhistas ao chegar a três meses de atraso. E a relação entre diretoria e jogadores vem sendo conduzida de maneira pouco turbulenta nos últimos tempos, dando ares de instabilidade entre a pausa por conta da pandemia e o atraso nos pagamentos.

Antes desse prazo de três meses fechar, perder jogadores como Ricardo Graça, Andrey, Marrony e Talles Magno era um pesadelo improvável, porém a partir de hoje, jogadores poderão rescindir unilateralmente seus contratos com o clube. O agravante é que mesmo antes da paralisação por conta da pandemia, já ocorria segundo o capitão da equipe, Leandro Castan, instabilidades junto as negociações para as reduções nos valores dos vencimentos.



Veja Também

Pedido da Federação Catarinense de Futebol (FCF) pela volta dos jogos com portões fechados, é negado pelo Governo de Santa Catarina

No intuito de mantém veto aos esportes com aglomerações em meio à pandemia, a Federação Catarinense de Futebol (FCF) teve seu pedido pela volta em 16 de maio, negado pelo Governo de Santa Catarina. A confirmação ocorreu na noite desta terça-feira por meio de comunicado oficial. As autoridades de saúde, avaliaram que não há possibilidade para a retomada, mesmo com portões fechados, de atividades gerem aglomeração ou contato físico.