Dedé conta sobre a proposta recebida pelo Atlético-MG e a redução de salário imposta pelo Cruzeiro


Com a crise vivida pelo rebaixamento para Série B, o Cruzeiro passa por muitas mudanças, e uma delas mexe diretamente com os vencimentos de jogadores. O zagueiro Dedé quebrou o silêncio e falou pela primeira vez sobre o que vem enfrentando no clube.



Se recuperando de uma cirurgia no joelho direito, realizada em março, o zagueiro revela que não recebe há mais de um ano, seu salário de forma integral. Além disso, o jogador disse que teve o salário reduzido em 78%.

Com contrato ativo junto ao Cruzeiro indo até o final de 2021, Dedé revela que foi procurado pelo Atlético-MG, mas que no momento seu foco é a recuperação de sua cirurgia no joelho direito.

“Sim, sim, recebi (proposta do Atlético). Recebi uma proposta até de espera da minha lesão e, hoje, minha vida é focada em me recuperar, eu não dei resposta para ninguém, a única resposta que eu dei foi para o Cruzeiro, dizendo que eu quero me recuperar” – Dedé.

De acordo com o jogador, a redução salarial aplicada pelo clube ocorreu sem nenhum tipo negociação entre o jogador e a Raposa.

De acordo com Dedé, quando foi informado sobre a redução de 78% em seu salário, ele não procurou a diretoria do clube para fazer reclamações, pois quando viu, o valor já estava em sua conta. Ele diz que muitas das vezes o torcedor não entende e o julgam pela falta de posicionamento. Por fim, Dedé disse que não recebe salários completos (carteira + direito de imagem) há mais um ano.

O jogador disse não ter conseguido um acordo para a melhoria de seus rendimentos, mas acredita não estar em posição de exigir nada, por conta de sua condição atual. Se recuperando de uma cirurgia no joelho direito, Dedé fez o procedimento com um médico particular e só deve voltar aos gramados no segundo semestre.

Veja Também

Pedido da Federação Catarinense de Futebol (FCF) pela volta dos jogos com portões fechados, é negado pelo Governo de Santa Catarina

No intuito de mantém veto aos esportes com aglomerações em meio à pandemia, a Federação Catarinense de Futebol (FCF) teve seu pedido pela volta em 16 de maio, negado pelo Governo de Santa Catarina. A confirmação ocorreu na noite desta terça-feira por meio de comunicado oficial. As autoridades de saúde, avaliaram que não há possibilidade para a retomada, mesmo com portões fechados, de atividades gerem aglomeração ou contato físico.