Ex-jogador de Mônaco: Thierry Henry não teve tempo suficiente com o ex-clube


Os dias de um treinador são geralmente contados quando as coisas ficam difíceis, embora o ex-jogador do AS Monaco de Thierry Henry sinta que o plug foi puxado prematuramente durante a campanha de 2018-19.



Henry, agora o treinador do Montreal Impact , durou apenas 20 jogos no comando da Ligue 1 e acumulou um recorde de 5-11-4 onde sua carreira profissional começou. Mas a história não é assim tão simples, de acordo com o atual meia do Sevilla Rony Lopes.

“Acho que as pessoas realmente não sabem o que aconteceu com Thierry”, disse Lopes ao The Athletic . “Na minha opinião, o clube não deu tempo suficiente. As sessões de treinamento foram muito boas e as idéias foram brilhantes, envolventes e boas.

“Quando ele colocou os jogadores em forma novamente e o time começou a ser o que ele queria, o clube o demitiu. Eu não concordei com isso. Se eles tivessem dado mais tempo, ele poderia ter sido um treinador fantástico para o Mônaco”.

Nessa perspectiva, o que é a perda de Mônaco pode acabar sendo o ganho de Montreal. Henry, que foi contratado em novembro passado para dirigir o Impact, também já teve alguns momentos positivos.

O Impact venceu Saprissa na Rodada de 16 da Concacaf Champions League e Montreal foi 1-0-1 antes da temporada MLS de 2020 ser suspensa por conta da pandemia. Suas conexões globais também resultaram em uma queda no mercado de transferências, com o meia Victor Wanyama ingressando como jogador designado do Tottenham Hotspur. Montreal também costumava usar um backline de cinco jogadores, especialmente em jogos da CCL, pois Henry parece provar seu valor na linha de toque. 

Embora o veredicto final seja sobre o lendário atacante, o tempo de Henry em Montreal pode relegar sua passagem pelo Mônaco a apenas um capítulo sombrio.



Veja Também

Pedido da Federação Catarinense de Futebol (FCF) pela volta dos jogos com portões fechados, é negado pelo Governo de Santa Catarina

No intuito de mantém veto aos esportes com aglomerações em meio à pandemia, a Federação Catarinense de Futebol (FCF) teve seu pedido pela volta em 16 de maio, negado pelo Governo de Santa Catarina. A confirmação ocorreu na noite desta terça-feira por meio de comunicado oficial. As autoridades de saúde, avaliaram que não há possibilidade para a retomada, mesmo com portões fechados, de atividades gerem aglomeração ou contato físico.