Goleiro do Coritiba, Rodrigo Café deixou o futebol para ser piloto de avião comercial


Atuante no futebol desde 2003, Rodrigo Café começou a carreira no Coritiba em 2003, subiu para o profissional em 2006 e jogou algumas partidas do Campeonato Paranaense em 2007. Na temporada 2007/08, fechou com o Naval, de Portugal. Na sequência, partiu para o futebol italiano, onde passou por Barletta e Varese.



Em 2010 de volta ao Brasil, jogou pelo América-RJ e conquistou o título do interior carioca, na ocasião, Romário era o presidente do time, e Bebeto, o treinador. Vale ressaltar que o goleiro também teve passagens pelo Brussels, da Bélgica, além de Rio Branco-PR, Madureira e Jmalucelli.

Preocupado com as dificuldades do mundo da bola dentro e fora de campo, o goleiro decidiu se aposentar aos 31 anos, não ficou rico com a carreira nos campos, mas diz que conseguiu se organizar para alcançar novos desafios de vida.

Segundo Rodrigo Café, quando era criança, ele tinha dois sonhos, o primeiro era ser jogador de futebol e o segundo, ser piloto de avião. E assim foi, quando decidiu se aposentar do futebol, procurou ter uma profissão e começou a estudar, me preparar e guardar o dinheiro para investir na formação como piloto, seguindo assim sua carreira pós-futebol.

  • Avalio minha carreira como sucesso. Graças a Deus, consegui jogar em bons clubes, consegui me manter até hoje com o dinheiro do futebol e, principalmente, consegui investir na minha formação como piloto comercial, piloto de avião. Não ganhei dinheiro como a gente vê jogadores que ganham milhões, mas consegui ganhar o suficiente para me manter, disse.

Atualmente Café é co-piloto comercial e já reencontrou colegas de sua ex-profissão os levando para diferentes destinos, como: Rafinha, o técnico Cuca, o goleiro Fernando Prass, amigos dos tempos de Coritiba. A reação é um misto de surpresa e felicidade. O ex goleiro conta que numa ocasião, estava levando o São Paulo para Forteza e decidiu e o Cuca estava sentado na primeira fileira, Café decidiu ir cumprimenta-lo e conta que o encontro foi um misto de surpresa e felicidade.



Veja Também

Pedido da Federação Catarinense de Futebol (FCF) pela volta dos jogos com portões fechados, é negado pelo Governo de Santa Catarina

No intuito de mantém veto aos esportes com aglomerações em meio à pandemia, a Federação Catarinense de Futebol (FCF) teve seu pedido pela volta em 16 de maio, negado pelo Governo de Santa Catarina. A confirmação ocorreu na noite desta terça-feira por meio de comunicado oficial. As autoridades de saúde, avaliaram que não há possibilidade para a retomada, mesmo com portões fechados, de atividades gerem aglomeração ou contato físico.