Meia do Atlético-MG, Cazares diz que gostaria muito de jogar no Corinthians


Com elogios abertos ao timão, o meia equatoriano de 28 anos Cazares, que hoje joga pelo Atlético-MG, disse ao “Canal del Fútbol”, do Equador que tem muita vontade de jogar no Corinthians. Declarou que ao lado do Flamengo, o timão é o mais poderoso time do Brasil.



– Sim (gostaria de jogar pelo Corinthians). É uma equipe muito grande do Brasil. Uma equipe muito forte. Flamengo e Corinthians são os mais poderosos daqui (do Brasil). Como não vou gostar de vestir a camisa de uma equipe tão grande é o Corinthians? – declarou.

Após sua fala, Cazares complementa o discurso, mas o áudio é prejudicado pela baixa qualidade da transmissão da entrevista.

Na época em que era comandado por Fábio Carille, o Corinthians tentou a contratação do jogador, mas com a saída de Carille e a contratação de Tiago Nunes em 2020, as negociações não avançaram. Desse modo o Timão deixou de lado a possível contratação levando em conta que Tiago Nunes não se interessou pelo equatoriano.

Hoje não (há desejo de contratar Cazares), mas ele interessou uma época – disse o presidente corintiano, Andrés Sanchez, em entrevista ao jornalista Jorge Nicola na última quarta-feira.

No início de 2020 o então técnico do Atlético-MG, Rafael Dudamel, declarou que o jogador não estava com a cabeça no Galo, quando esteve perto de trocar o Atlético-MG pelo Al Ain, dos Emirados Árabes.  O clube mineiro tem 100% dos direitos econômicos do atleta e pedia 4 milhões de euros pelo jogador.

Cazares se tornou o estrangeiro com maior números de jogos, foram 200 jogos que foram atingidos em 2019, superando a marca do o ex-zagueiro Benito Fantoni. O equatoriano chegou ao clube em 2016 após um enredo confuso com o Banfield, da Argentina. O argentino até hoje move uma ação a fim de ser ressarcido pelo Alvinegro.

Com a carreira no Galo marcada pela oscilação, a diretoria atleticana, garante que o técnico Sampaoli pode recuperar o futebol de Cazares.



Veja Também

São Paulo encara Rogério Ceni pela primeira vez em um mata-mata

O torcedor são-paulino se depara com uma situação inédita, enfrentar seu histórico goleiro, hoje como técnico do Fortaleza