Passando por uma iminente reconstrução política, Santos busca classificação na Libertadores no 1º jogo


Já na da ‘Era Rollo’ o Santos precisa de pelo menos um ponto para voltar ao Brasil classificado às oitavas de final do torneio sul-americano



Após o afastamento de José Carlos Peres da presidência do clube e consequente ascensão do vice, Orlando Rollo, ao cargo, O Santos vive a expectativa de confirmar a sua classificação às oitavas de final da Libertadores nesta quinta-feira (01). O Peixe encara o Olimpia a um empate de avançar ao mata-mata da principal competição sul-americana. O jogo acontece no Estádio Manuel Ferreira, em Assunção, capital do Paraguai.

Invicto no torneio, com três vitórias e um empate, única vez que não conquistou os três pontos foi contra o próprio Olimpia no dia 15 de setembro, após empatar em 0 a 0, na Vila Belmiro, pela terceira rodada. O Alvinegro venceu as duas partidas fora de casa até aqui, contra Defensa y Justicia, na Argentina pela primeira rodada e no Equador, contra o Delfin, pela quarta rodada.

Com 10 pontos, a equipe é líder do grupo G e voltar ao Brasil classificado é fundamental para que o Peixe não complique uma condição “confortável”. Os outros colocados do grupo são: o Defesa y Justicia (ARG), com seis, Olimpia (PAR), com cinco, e Delfin (EQU), com um. Outra forma do Santos conseguir sua classificação é na improvável derrota da equipe argentina para os equatorianos.

Para o duelo de hoje, o Santos não terá a dupla de zaga titular, Lucas Veríssimo e Luan Peres, suspensos pelo terceiro cartão amarelo, por sua vez, o volante Alison, que ficou de fora dos três últimos jogos do Peixe, viajou para Assunção e tem boas chances de compor a zaga pela direita.

O confronto de hoje será o primeiro com Orlando Rollo no exercício da presidência santista, ainda que interinamente. Rollo optou por ficar no Brasil e não viajar com a equipe para o Paraguai, ele fica no Brasil para resolver problemas administrativos do Santos.



Veja Também

São Paulo encara Rogério Ceni pela primeira vez em um mata-mata

O torcedor são-paulino se depara com uma situação inédita, enfrentar seu histórico goleiro, hoje como técnico do Fortaleza