Presidente em exercício do Santos afirma que sua missão é evitar a falência do clube


Após afastamento de José Carlos Peres Rollo afirma que está na busca de resolver pendências



Segundo presidente em exercício do Santos, Orlando Rollo sua principal missão junto ao cargo que ocupa hoje no clube, é a de evitar que o Santos entre em falência.  Rollo afirma que a maior pendência financeira do time, é referente ao não pagamento pela contratação do zagueiro Cléber Reis, desde 2017 e que essa continua sendo o principal foco de suas ações, que tem avançado no acordo com o Hamburgo (ALE). Rollo afirma que se movimenta para saldar outras pendências.

Perto de derrubar o transfer ban, que impediria o Peixe de registrar novos jogadores, há ainda a necessidade de resolver outras duas pendencias: as dívidas com Huachipato (CHI) e Atlético Nacional (COL), referente ao não pagamento pelas contratações de Soteldo e Felipe Aguilar.

No período conturbado em que o Alvinegro se encontra, com foco fechado nas pendencias financeiras do clube, reforços para o elenco, como deseja o técnico Cuca, são pouco prováveis que sejam atendidos. Mesmo nomes como Robinho que seriam custo zero, são pouco prováveis que ocorram, visto que são necessárias quantias referentes de luvas, premiações e pedida salarial.

Em fala a imprensa após a reunião do Conselho Deliberativo: “Professor Cuca está correto em pedir reforços. Quer que time ganhe e seja campeão, como eu. Mas quero que clube não feche. Temos que ser coerentes, pés no chão. Meu papel aqui é evitar que o Santos entre em falência. ”

Mesmo afirmando que as condições do clube estão catastróficas, o mandatário santista se diz de olhos nas oportunidades do mercado, caso essas estejam dentro das condições do clube. No total, a equipe tem mais de R$ 300 milhões em dívidas.

 



Veja Também

São Paulo encara Rogério Ceni pela primeira vez em um mata-mata

O torcedor são-paulino se depara com uma situação inédita, enfrentar seu histórico goleiro, hoje como técnico do Fortaleza