Sem apresentar tantas opções no início do Brasileiro, Botafogo pode perder quinto jogador


Podendo chegar a quinta baixa, Botafogo se vê sem muitas opções para manter a competitividade física do elenco em alta. Negociação de Luís Henrique com o Olympique de Marselha, da França, traz uma possível quinta baixa no elenco alvinegro.



Com a possível negociação de Luís Henrique com o Olympique de Marselha, da França, traz uma possível quinta baixa no elenco alvinegro desde o início da competição nacional. Já em solo francês para realização de exames, o atacante de 18 anos espera não ter mais sintomas da pubalgia que o tirou dos últimos cinco jogos do Botafogo. Em caso positivo a venda ao OM deve ser concretizada.

Com a perda de jogadores em todos os setores do campo já nas primeiras rodadas, Paulo Autuori fica com poucas opções para seguir bem no campeonato. Sem força financeira para ir ao mercado buscar reposições – com exceção de Carlos Rentería, que chegou sem custos – a solução é a promoção de jogadores das categorias de base. Vale citar que as saídas ocorridas antes do Luís Henrique, foram de um zagueiro, um lateral-esquerdo, um volante e um atacante: Ruan Renato e Cícero, com contrato rescindido, Danilo Barcelos, negociado junto ao Fluminense, e Luiz Fernando, emprestado para o Grêmio. O último, inclusive, era titular antes de deixar o clube.

Segundo Paulo Autuori após o empate com o Santos, no último domingo: “Nós perdemos ao logo do Campeonato quatro jogadores. Não vou colocar o Carli (teve contrato rescindido antes do Brasileirão), mas saíram Cícero, Ruan, Luiz Fernando e Danilo. E sem a possibilidade de contratar. De experiência na Série A tem o Gatito, Victor Luís e Marcelo um pouco no ano passado. Os demais vieram de fora ou da Série B ou vieram do sub-20”.

Ocupando a 18ª colocação, o Botafogo se vê com o elenco enxuto fazendo com que a comissão técnica busca o máximo de seus jogadores a fim de manter a competitividade física do elenco em alta.



Veja Também

São Paulo encara Rogério Ceni pela primeira vez em um mata-mata

O torcedor são-paulino se depara com uma situação inédita, enfrentar seu histórico goleiro, hoje como técnico do Fortaleza