Sem pensar em aposentadoria Roberto Dinamite não joga oficialmente desde a Série B de 2019 e relembra momentos como a derrota para o Liverpool


Atualmente se dedicando a seu projeto social, volante Roberto Dinamite, de 35 anos diz que não pensa em aposentador, mas atualemnte não tem previsão de volta aos campos. Longe do futebol desde o vice-campeonato da Série B pelo São Raimundo, no final de 2019, no último domingo de páscoa, participou de uma ação em que doou 100 cestas básicas em diversos bairros de Manaus.



Com passagens por dois times da Macedônia: Vardar e FC Rabotnicki, o amazonense estava no banco de reservas durante eliminação para o Liverpool de Gerrard, o atetla destaca que o auge de sua carreira no futebol, foi quando teve a oportunidade de sair do país, onde pode realizar algumas metas pessoais e a realização de alguns sonhos, disputando inclusive a Copa da Uefa, Champions League.

A gente está no Norte, então não basta ser só bom, seu querer tem que ser triplicado. O seu querer tem que ultrapassar o seu talento – disse. O atleta relembra também, seus dois títulos amazonenses, o primeiro em 2006 quando o jogador tinha 18 para 19 anos foi campeão estadual pelo São Raimundo, em seu primeiro ano como profissional, o jogador diz que era um menino sonhando em ser atleta no meio de vários jogadores no auge. Foi um momento muito especial para mim, porque era um momento em que estava aprendendo o quanto era bom ser campeão.

Já o segundo título já tinha 31 anos pelo Fast, em 2016 onde era capitão do time, tirou o time de um jejum de 45 anos sem títulos, destando-o como um jogador mais maduro. Como marcante, o jogador relembra a campanha de 2013 do Nacional-AM na Copa do Brasil, onde passou por Águia de Marabá-, Coritiba e Ponte Preta, o clube foi o único a chegar nas oitavas de final, mas acabou sendo eliminado pelo Vasco nas oitavas.

Dinamite diz que assim que parar de vez com suas atuações nos campos, vai se dedicar a seus projetos sociais por completo, e que vai usar sua própria imagem para atingir outros jovens, trabalhar em prol do nosso futebol, para que a gente possa revelar novos talentos que vêm surgindo.



Veja Também

Pedido da Federação Catarinense de Futebol (FCF) pela volta dos jogos com portões fechados, é negado pelo Governo de Santa Catarina

No intuito de mantém veto aos esportes com aglomerações em meio à pandemia, a Federação Catarinense de Futebol (FCF) teve seu pedido pela volta em 16 de maio, negado pelo Governo de Santa Catarina. A confirmação ocorreu na noite desta terça-feira por meio de comunicado oficial. As autoridades de saúde, avaliaram que não há possibilidade para a retomada, mesmo com portões fechados, de atividades gerem aglomeração ou contato físico.