Solicitando o fim da obrigatoriedade da meia-entrada na venda de ingressos para os jogos em que for mandante, Corinthians abre pedido na Justiça


Repetindo medida tomada por Flamengo e São Paulo, Timão quer que a União baque o benefício



A fim de acabar com o fim da obrigatoriedade da meia-entrada na venda de ingressos para os jogos em que for mandante, o Corinthians ingressou com uma ação na Justiça pedindo que a União banque o benefício, que oferece meia-entrada a estudantes, idosos, deficientes e jovens de 15 a 29 anos de baixa renda.

O Timão ainda pede que um ressarcimento ao Governo Federal a soma do valor acumulado de cinco anos (limite máximo permitido por lei) destinados as meias-entradas. Indenização que ainda será calculada. O Corinthians repete, assim, uma medida tomada recentemente pelo rival São Paulo e também pelo Flamengo.

No dia 10 de setembro, a juíza Tatiana Pattaro Pereira ordenou que o time apresentasse o valor do ressarcimento pretendido. O caso tramita na 14ª Vara Cível Federal de São Paulo.

Como argumentação da petição o time alega que é do governo a responsabilidade no acesso ao esporte e lazer e além disso a concessão do desconto não é acompanhada de qualquer contraprestação, incentivo ou estímulo por parte do Poder Público. E acrescenta que o não recebimento do valor total dos ingressos, acarreta prejuízo à manutenção e ao desenvolvimento da atividade econômica por ele desempenhada.

O Timão afirma não querer discutir a constitucionalidade das leis, mas sim o fato de assumir os ônus sem contrapartida do Estado. A Lei da Meia-Entrada foi criada em 2013 e o Estatuto do Idoso foi aprovado em 2003. Através de sua assessoria, o time informa que não é contra a venda de ingressos com meia-entrada, na ação pede ressarcimento pelo benefício que hoje banca sem nenhuma ajuda do Governo.

Veja Também

São Paulo encara Rogério Ceni pela primeira vez em um mata-mata

O torcedor são-paulino se depara com uma situação inédita, enfrentar seu histórico goleiro, hoje como técnico do Fortaleza